Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.15/860
Título: Parasitismo gastrintestinal em asininos da raça Mirandesa
Autor: Crespo, Maria Virgínia
Brito, Madalena
Rosa, Fernanda
Ramos, M.
Palavras-chave: Parasitismo gastrintestinal
esquema anti-helmíntico
ivermectina
burros
raça mirandesa
Gastrintestinal parasitism
antihelmintic program
donkeys
breed Mirandesa
Data: Jun-2013
Editora: Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém (UIIPS)
Citação: Crespo, M.; Brito, M.; Rosa, F. & Ramos, M. (2013). Parasitismo gastrintestinal em asininos da raça Mirandesa. Revista da Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém, 2, 301-309
Resumo: Com vista à implementação de um programa profilático em oito asininos residentes na Fundação para a Proteção e Gestão Ambiental, nas Salinas do Samouco e pertencentes à Câmara Municipal de Alcochete, entre maio de 2011 e janeiro de 2012, realizou-se o estudo do tipo e grau de parasitismo e do período de reaparecimento de ovos, após a desparasitação com ivermectina. As amostras foram sujeitas a exames coprológicos qualitativos e quantitativos e a coproculturas. Identificaram-se ovos de estrongilídeos gastrintestinais nos animais adultos e de Strongyloides sp. e ascarídeos em dois animais nascidos em abril. As médias de eliminação de ovos de estrongilídeos por grama de fezes variaram entre 0 e 557, no entanto, uma das fêmeas apresentou eliminações elevadas com o valor máximo de 2700 ovos por grama de fezes. Apesar do período de reaparecimento de ovos ter sido de 60 dias as médias de eliminação acima dos 200 ovos por grama de fezes, só se registaram aos 120 dias pós a desparasitação. Os machos apresentaram sempre infeções ligeiras e as fêmeas, 150 após a desparasitação, evidenciaram infeções mais graves com médias de eliminação superiores a 550 ovos de estrongilídeos gastrintestinais, por grama de fezes, decisivas para uma nova desparasitação. Os dados obtidos sugeriram a implementação de um esquema de tratamento bianual, com monitorização mensal para estrongilídeos gastrintestinais.----Aiming to implement a prophylactic program in donkeys resident in the for Environmental Protection and Management Foundation at the Salinas Samouco and belonging to the municipal council of Alcochete, between May 2011 and January 2012, a study to determine the type and degree parasitism and the Egg Reappearance Period after deworming with ivermectin, was carried out. Coprological exams by qualitative and quantitative techniques and coprocultures were performed. Gastrointestinal strongyle eggs were identified in adult animals and Strongyloides sp. and ascaridids in two animals born in April. The average strongyle egg output ranged from 0 to 557 GIS/EPG, however, one of the females showed high egg output rates, with a maximum of 2700 GIS/EPG. Although the Egg Reappearance Period was 60 days after deworming, the average of egg output above 200 GIS/EPG, only occurred 120 days after deworming. Males always showed light infections, contrary to females which 150 days after deworming revealed more severe infections with an egg output average above 550 GIS/EPG, which was decisive for another deworming procedure. Thus, data suggested the implementation of a biannual deworming program, followed up by monthly gastrointestinal strongyle monitoring.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.15/860
ISSN: 2182-9608
Versão do Editor: http://www.ipsantarem.pt/wp-content/uploads/2013/04/Revista-da-UIIPS_Vol2_2013_AGRARIA_ISSN-2182- 9608.pdf
Aparece nas colecções:Artigos em revistas nacionais_ESAS

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CRESPOMV_ASINMIRAN_parasita_2013.pdf1,16 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.