Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.15/507
Título: Xingamentos entre adolescentes em Brasília: linguagem, gênero e poder
Autor: Zanello, Valeska
Bukowitz, Bruna
Coelho, Elisa
Palavras-chave: Xingamentos
Relações de gênero
Adolescência
Violência verbal
Bullying
Data: 2011
Editora: Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior de Educação
Citação: Valeska,Z., Bukowitz, B. & Coelho, E. (2011). Xingamentos entre adolescentes em Brasília: linguagem, gênero e poder. Revista Interacções,17(7),151-169.
Resumo: O xingamento é uma poderosa arma de controle social, pois aponta, no ato de seu uso, determinados lugares sociais que não devem ser ocupados pelos sujeitos. Aquilo que é julgado como indesejável varia de acordo com a cultura, com o momento histórico, com a faixa etária e depende de importantes papéis de gênero. O presente artigo teve como escopo estudar quais xingamentos seriam considerados como mais ofensivos, atribuíveis aos homens e às mulheres, por mulheres e homens adolescentes em Brasília. O objetivo foi analisar os valores de gênero nestas respostas e o controle social que os mesmos exercem no ato de xingar entre os adolescentes. Foram aplicados 380 questionários: 243 na escola privada (119 em homens, 124 em mulheres) e 137 na escola pública da periferia (59 em homens e 78 em mulheres). Os dados foram submetidos a uma análise de conteúdo (Bardin, 1997). Foi possível apreender, em geral, as seguintes categorias: comportamento sexual (ativo ou passivo), traços de caráter (relacional ou de auto-investimento), atributos físicos, atributos intelectuais, família, e pessoalidade. As categorias de xingamentos mais expressivas atribuíveis aos homens foram o comportamento sexual ativo e traços de caráter de autoinvestimento; já em relação às mulheres, destacaram-se o comportamento sexual passivo e traços de caráter relacionais. Os dados apontam que, apesar das mudanças sociais, os valores exigidos em relação aos homens e mulheres são bastante tradicionais. - Name calling is a powerful weapon of social control, since it points out, in the act of its use, certain social positions that should not be occupied by the individuals. However, what is considered as undesirable varies according to the culture, to the historic moment, to the age and depends on important gender roles. This article aimed to study which name calling would be considered more offensive, attributable to both men and women, for women and men adolescents in Brasilia. The objective was to analyze gender values in the responses as well as social control those responses exert in the act of name calling among adolescents. 380 questionnaires were administered: 243 in a private school (119 men, 124 women) and 137 in a public school (59 men and 78 women). The data was subjected to content analysis (Bardin, 1997). It was possible to apprehend in general the following categories: sexual behavior (active or passive), character traits (relational or self-investment), physical attributes, intellectual attributes, family, and personality. The most significant categories of name calling attributable to men were active sexual behavior and self-investment character traits; in relation to women, categories that stood out were passive sexual behavior and relational character traits. The data indicate that, despite the social changes, the values expected from men and women are still fairly traditional.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.15/507
ISSN: 1646-2335
Versão do Editor: http://nonio.eses.pt/interaccoes/artigos/Q9_Valeska%2C%20Bruna%20&%20Elisa.pdf
Aparece nas colecções:Volume 7 - 2011 - nº17

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Q9_Valeska, Bruna & Elisa.pdf292,63 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.