Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.15/478
Título: Cuidados de enfermagem em cuidados continuados: cada caso é um caso
Autor: Gina, Marques
Palavras-chave: INTERACÇÃO ENFERMEIRO-UTENTE
CUIDADOS CONTINUADOS
RELAÇÃO DE PODER
ASSIMETRIA
MODALIDADE DA ACÇÃO
Data de Defesa: 20-Nov-2009
Resumo: Nesta investigação estudámos as assimetrias nas interacções enfermeiro-utente no âmbito dos cuidados de saúde, através de uma estrutura teórica organizada em torno da sociologia da acção, enquanto entendimento da actividade social como um produto da actividade humana. Quisemos analisar a prática quotidiana dos cuidados de enfermagem com o intuito de compreender o processo de cuidados a partir da experiência e do significado subjectivo dos enfermeiros. As questões de partida: As assimetrias veiculadas nas interacções no âmbito dos cuidados de saúde são produtoras de desigualdades sociais? Como é que o enfermeiro gere os processos de saúde, doença no processo de cuidados considerando a existência de assimetria na interacção? Definimos como objectivos: Compreender se as assimetrias nas interacções entre o enfermeiro e o utente em Cuidados Continuados são produtoras de desigualdades sociais; Compreender de que forma o enfermeiro usa o poder no processo dos cuidados de saúde em cuidados continuados. Para observação e análise do fenómeno, seleccionámos um contexto de cuidados continuados integrados, por aí se produzirem relações sociais complexas estabelecidas entre actores mediadas pelas normas orientadoras e a apropriação de significado feita por cada enfermeiro em interacção com os utentes. Este estudo é de caris qualitativo e descritivo. Os dados foram produzidos com recurso à entrevista semi-estruturada submetendo-se o corpus produzido, à análise de conteúdo temática e estrutural que permitiu a observação de regularidades sociais operacionalizadas em características na acção do enfermeiro, cujo conteúdo foi organizado em torno de dois eixos de análise, um por referência à modalidade da acção e outra por referência ao estatuto do utente na acção do enfermeiro. Como principais conclusões destacamos: Pela intersecção do conjunto de características da modalidade de acção: “a prática nunca é a mesma” com o “estatuto singular do utente” as mesmas apontam para características na actuação do enfermeiro que possibilita a edificação de relações que embora sejam assimétricas, afastam a possibilidade da ocorrência de uma desigualdade com princípio nas interacções com os utentes no processo de cuidados em contexto de cuidados continuados. As características do poder afecto a tais características, sugerem que o conhecimento do enfermeiro é parte essencial do seu reconhecimento profissional, mas esse mesmo conhecimento não lhe confere poderes especiais sobre os utentes, antes o seu conhecimento de especialista é de saber-fazer para se adaptar à singularidade de cada situação. Também pela intersecção das características da modalidade de intervenção: “a prática é sempre a mesma” com o “estatuto indiferenciado do utente” compreende-se que a inércia, a certeza, a imposição na acção do enfermeiro potencia a assimetria e a distância social na relação com os utentes; o estatuto passivo do utente no seu processo de cuidados destitui-o de poder e submisso ao enfermeiro. Tais características potenciam as assimetrias de poder tidas como desnecessárias no âmbito dos cuidados de saúde e a um nível ainda que restrito, não deixa de ser possível que sejam objectivadas desigualdades sociais, nas interacções condicionadas pelas características da acção do enfermeiro baseadas na desigualdade da posição do utente na equipa de saúde.In this investigation we tried to study the asymmetries in the interactions between nurse-patient in the scope of the health care, through a theory structure organized within the sociology of action of social activity understanding as a product of human activity. We wanted to analyze and understand the daily practice of nursing care giving within the process of care from the experience and subjective meaning of nurses. Initial questions: Are the asymmetries expressed in the interactions in the scope of heath care producers of social inequalities? How does the nurse manage health processes, disease within the care process taking into consideration the existence of asymmetry in the care? Our objectives: To understand if the asymmetries in the interactions between nurse-patient in Continuous Care produce social inequalities; To understand the way the nurse uses power in the process of health care in continuous care. For the observation and analysis of the phenomenon, we selected an integrated continuous care context, because there are produced complex social relationships established between actors, mediated by guiding norms and the appropriation of meaning by each nurse who interacts with the patients. We considered this qualitative and descriptive study, for the production of data we use the semi-structured interview and for the analysis of the corpus produced, the analysis of content thematic and structural that allowed the observation of social regularities operated in the characteristics of the nurse´s action, which content was organized around two axis of analysis, one by reference to the modality of action and the other by reference to the status of the patient in the nurse’s action. As main conclusions we highlight: Through the intersection of the set of characteristics of the modality of action: “the practice is never the same” with “the singular status of the patient” the same point to characteristics in the nurse performance, which enable the edification of relationships despite being asymmetrical, keep off the possibility of occurring an inequality based on the interactions with patients within the process of care in the context of continuous care. The characteristics of the power inherent to those characteristics, suggest that the knowledge of the nurse is an essential part of his professional recognition, but that knowledge does not coffer to him special powers on the patients, in fact his specialist knowledge is the know how to adapt to the singularities of each situation. Through the intersection of the characteristics of the modality of intervention: “the practice is always the same” with “the undifferentiated status of the patient” we understand that the inertia, the certainty, the imposition in the nurse’s action potentiate the asymmetry and social distance in the relationship with the patients; the passive status of the patient in his care process dismisses him from power and submitted to the nurse. Such characteristics potentiate the asymmetries of power seen as unnecessary in the scope of health care and in a level yet restricted, it is possible that they are embodied social inequalities, in the interactions conditioned by the characteristics of the nurse’s action based on the inequality of the position of the patient in the health team.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Sociologia, realizada sob orientação científica do Professor Doutor Casimiro Marques Balsa e sob coorientação científica do Professor Doutor José Joaquim Penedos Amendoeira
URI: http://hdl.handle.net/10400.15/478
Aparece nas colecções:Dissertações de Mestrado_ESSS

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Gina Marques_Dissertação de Mestrado.pdf1,46 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.