Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.15/424
Título: Cultura partilhada numa organização aprendente
Autor: Azevedo, Nair
Nascimento, Ana
Palavras-chave: Aprendizagem organizacional
Cultura organizacional
Mudança organizacional
Organizational learning
Organizational culture
Organizational change
Data: 2010
Editora: Instituto Politécnico de Santarem. Escola Superior de Educação
Citação: Azevedo,N.R. & Nascimento, A.R.B. (2010). Cultura partilhada numa organização aprendente. Santarém, Revista Interacções, 14(6)),9-31
Resumo: O objectivo deste artigo é relatar uma intervenção organizacional centrada na tomada de consciência da cultura organizacional. A nossa hipótese de partida, e que veio a configurar toda a intervenção, aponta para a ideia de que a prática da organização analisada se desenvolve sob o desígnio de uma “cultura de aprendizagem”, típica do que tem sido identificado como “organização aprendente” (Schein, 1997; Sun, 2003; Senge, 2005; Fernandes, 2007). Deste ponto de vista, sobressai a necessidade de se realçar o processo, na sua forma activa, situada, colaborativa e reflexiva (Sun, 2003). Ao desenharmos a estrutura deste artigo, evocamos leituras e autores que articulam as questões relacionadas com a improvisação organizacional como fortemente devedoras da metáfora do jazz (Kamoche, Cunha & Cunha, 2000; Pina e Cunha, 2002). A possível ligação entre as características de uma organização aprendente e a metáfora organizacional do jazz é, no âmbito da narrativa do trabalho realizado, que iremos descrever, particularmente aliciante. De facto, a contemporaneidade parece demandar a emergência de organizações aprendentes, que sejam capazes de actuar como bandas de jazz (balançando estrutura e improvisação). O resultado do trabalho realizado, ilustrado nas palavras dos seus actores, pode ser descrito em termos de indicações sobre o caminho a percorrer, assente na ideia de que uma maior consciência da cultura organizacional, por parte daqueles que são parte dessa cultura, é uma condição necessária para que qualquer mudança possa ser implementada, na justa medida da necessidade de que todos se sintam genuinamente comprometidos com o processo a seguir. Abstract The aim of this paper is to report an organizational intervention focused on the awareness of the organizational culture. Our starting hypothesis, configuring all the intervention, highlights the idea that the organization’s practice is held from a “learning culture”, typical of what has been labelled as "learning organization" (Schein, 1997; Sun, 2003; Senge, 2005; Fernandes, 2007). From this point of view, there is the need to draw attention to process, in its active, situated, collaborative and reflective form (Sun, 2003). To decide the paper’s structure, some readings and authors have been useful, particularly the ones that use the jazz metaphor to talk about organizational improvisation and creativity (Kamoche, Cunha & Cunha, 2000; Pina e Cunha, 2002). We thought this very inspiring because the contemporary world seems to demand the emergence of learning organizations that are able to play like jazz bands (within structure and improvisation). The results of the carried out intervention, illustrated by the actors’ own words, show the paths that can be taken to accomplish development and change within this particular organization. We argue that the conscious awareness of the organizational culture by its members is a necessary condition to implement change, because that is built on genuine commitment and compliance, important to accomplish objectives and tasks.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.15/424
ISSN: 1646-2335
Versão do Editor: http://nonio.eses.pt/interaccoes/artigos/N2%20-%20Azevedo%20&%20Nascimento.pdf
Aparece nas colecções:Volume 6 - 2010 - nº14

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
N2 - Azevedo & Nascimento.pdf778,03 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.