Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.15/203
Título: Kids' rooms as plus territory
Autor: Winther, Ida
Palavras-chave: Home
Homeliness
Children
Playrooms
Tactics
Data: 2006
Editora: Instituto Politécnico de Santarém, Escola Superior de Educação
Citação: WINTHER, Ida Wentzel - Kids' rooms as plus territory. Revista Interacções. Nº 2 (2006), p.9-26
Resumo: It has become a condition for modern people to be ‘on the move’ (Bauman 1998, Rushdie 1995, Diken 1998). We move physically, mentally and, especially, virtually. The new global space and the use of new technologies undermine the old conception of Home. These days Home has to be revitalized. It is important, because at home we try tactics ‘to home oneself´. An ability even more important than ever, because we move away from the hegemonic idea about one home to the tactics to feel at home, eventually in more mobile ways. I have examined how some children at the age 10-11 make themselves at home. How they domesticate, capture territories and places. What do our children do to get place, space and rooms, which belong to them? How do they do home? ‘To home oneself’ can be understood as a self-technology or a tactic (de Certeau, 1984), a tactic to make space around oneself on the places one stay. A way to commit oneself in between the well known and the un-known. It is a tactic one can use other places that at home, also in schools or in other kind of pedagogical relationships. - Tornou-se uma condição dos tempos modernos o “estar em movimento” (Bauman 1998, Rushdie 1995, Diken 1998). Nós movimentamo-nos fisicamente, mentalmente e, em particular, virtualmente. O novo espaço global e o uso das novas tecnologias minam a velha concepção de Lar. Nos dias de hoje o Lar tem de ser revitalizado. É importante porque em casa tentamos tácticas para “nos fazermos sentir em casa” [to home oneself’], uma capacidade mais importante do que nunca,dado que nos afastamos da ideia hegemónica de um lar, para a táctica de nos sentirmos em casa, eventualmente através de meios mais móveis. Eu investiguei como é que crianças de 10-11 anos se fazem sentir em casa, como é que domesticam e capturam territórios e lugares. O que é que as nossas crianças fazem para conseguir lugar, espaço e salas que lhes pertencem? Como é que elas “fazem casa” [do home]? “Fazer-se sentir em casa” pode ser entendido como uma auto-tecnologia ou como uma táctica (de Certeau, 1984), uma táctica para conseguir espaço à sua volta nos lugares em que se fica, um modo de se arrumar entre o bem conhecido e o desconhecido. Constitui uma táctica que pode ser usada noutros espaços que não o do lar, como nas escolas ou noutro tipo de relações pedagógicas.
URI: http://hdl.handle.net/10400.15/203
ISSN: 1646-2335
Versão do Editor: http://nonio.eses.pt/interaccoes/artigos/B1%281%29.pdf
Aparece nas colecções:Volume 2 - 2006 - nº02

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
B1(1).pdf378,1 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.